Assine a newsletter para receber conteúdos exclusivos

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.
Colunistas
Contracepção
Depoimentos
Fertilidade
Oya Recomenda
Rotina
Saúde
Sexo
Sociedade
Trabalho e Relacionamentos
Anna Vitoria Rocha
Dra. Natalia Ramos
Giuliana
Giuliana Giordano
Laura Máximo
Marina Orlandini
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo sobre saúde e autonomia feminina.

Vulva com vulva: um guia de saúde sexual

SUMÁRIO

Existe sexo (e muito!) para além do contato entre pênis e vulva. E onde há sexo, há risco de se contrair alguma infecção sexualmente transmissível (IST). A heteronormatividade faz muita gente acreditar que a penetração pênis-vulva é regra, tornando todas as outras práticas automaticamente erradas e/ou menos importantes, mas não é bem assim que funciona.

O problema é que essa invisibilização gera efeitos que vão muito além do imaginário: um deles é a forma como a prática sexual que envolve duas (ou mais, rs) vulvas é ignorada quando se fala em saúde sexual e prevenção de ISTs. Muitas pessoas ainda acreditam que não é possível contrair o vírus do HIV e outras infecções quando não há penetração, enquanto outras dispensam totalmente os cuidados simplesmente por não haver risco de gravidez.

Por muito tempo, a prática sexual entre pessoas com vulva não era sequer considerada um ato sexual em si, uma vez que não teria a presença do pênis. Mas o sexo do tipo vulva com vulva sempre existiu, e hoje sabemos também que mulheres e pessoas com vulva podem contrair (e transmitir) ISTs bacterianas, virais e protozoárias entre si, uma vez as relações também envolvem contato com mucosas, secreções e até mesmo sangue.

Obstáculo #1: falta informação

Se você está lendo esse texto agora e sentindo falta de dados a respeito dessa população, saiba que nós também: há poucas pesquisas no realizadas no Brasil que abordam especificamente a situação de mulheres lésbicas, e menos ainda quando aprofundamos os recortes relativos a orientação sexual e identidade de gênero.

Um dos motivos para a dificuldade de realizar essas pesquisas seria o desconforto e o medo que muitas pessoas sentem de assumir sua orientação sexual para profissionais de saúde, por medo de sofrer discriminação. A isso juntamos profissionais que nem sempre estão preparados para atender e orientar esse público, que além de não receber o cuidado adequado ainda corre o risco de sofrer violência em espaços que deveriam ser de acolhimento.

Obstáculo #2: faltam recursos

Esse desencontro contribui para a invisibilidade do grupo e alimenta um ciclo vicioso que passa por dificuldades de acesso aos recursos de saúde e ao aumento da vulnerabilidade de mulheres e demais pessoas com vulva. Até existe uma cartilha do governo federal a respeito do assunto, mas sua versão mais recente foi publicada em 2007 e o material está praticamente escondido no site do Ministério da Saúde.

Outro efeito significativo dessa invisibilidade está na falta de recursos adequados para proteção: ainda hoje não há uma solução prática, acessível e eficiente para tornar o sexo entre pessoas com vulva mais seguro. Existem algumas alternativas para contornar o problema e minimizar os riscos, mas ainda temos um longo caminho a percorrer nessa jornada de inclusão.

Vulva com vulva: um guia de saúde sexual

Reunimos aqui um conjunto de práticas recomendada por profissionais de saúde para tornar o contato sexual entre vulvas mais seguro para todes. Uma vez que não existe um método pensado especificamente para o grupo, o mais indicado é combinar os cuidados para garantir o máximo de proteção possível.

Lembrete: a contração de ISTs não está ligada a uma ou outra orientação sexual, e sim ao tipo de prática sexual realizada - é por isso que optamos por falar de "contato sexual entre vulvas" do que "sexo lésbico" e afins.

#1 Cuidados preventivos

Se manter em dia com sua rotina de exames é o primeiro passo para viver sua sexualidade de forma mais segura. Os teste de IST devem ser realizados uma vez ao ano ou sempre que houver exposição a uma situação de risco. Os testes rápidos podem ser realizados gratuitamente em postos de saúde e conseguem detectar a presença do vírus HIV, além de sífilis e hepatite B e C.

Quem pratica sexo com penetração (seja de pênis, dedos ou brinquedos sexuais) deve realizar também o papanicolau a partir dos 25 anos (segundo as orientações de rastreamento do Ministério da Saúde). O exame detecta lesões precursoras do câncer de colo de útero (causadas pelo HPV) e o câncer de colo de útero em si.

#2 Diálogo

O tema ainda é tabu, mas é importante normalizar a conversa sobre ISTs entre parceira/e/os sexuais. A troca de exames, por exemplo, é uma das formais mais seguras de evitar infecções sexualmente transmissíveis.

#3 Observação

Partindo para a prática, a observação é uma das medidas mais indicadas para reduzir os riscos do contato entre vulvas. Sabemos que a presença de verrugas ou feridas na região podem facilitar a transmissão de infecções, por isso é importante observar o corpo antes de qualquer ação.

Atenção: cortes e feridas na boca e nos dedos também podem ser porta de entrada para ISTs, cuidado!

#4 Luvas

Na penetração com o dedo, é possível se proteger usando luvas de látex e lubrificante à base de água.

#5 Barreiras de proteção

Não existe um preservativo feito especificamente para o contato sexual entre vulvas, mas é possível improvisar. Uma prática comum é criar uma barreira de proteção para a vulva a partir de um preservativo masculino: corte a ponta e o anel lateral, desenrole a camisinha e utilize a manta de látex para cobrir o órgão durante o sexo (só cuidado para ela não sair do lugar!).

O mesmo pode ser feito com um dique dentário (dental dam), material utilizado por dentistas para isolar a boca durante procedimentos odontológicos que pode servir de barreira durante o sexo oral.

Já o preservativo interno (camisinha feminina) pode ser usado na penetração e também no sexo oral.

#6 Sex toys também usam camisinha

Os brinquedos sexuais devem ser higienizados com água e sabão antes e depois do uso, e devem ser protegidos com camisinha caso forem compartilhados entre as parceiras. A regra é um preservativo novo sempre que o vibro/dildo trocar de dona.

#7 Cuidado com as mãos

Além de ter cuidado com feridas e cortes, é importante manter as mãos sempre limpas para um sexo mais seguro. Atenção especial para as unhas, que devem ser mantidas curtas e lixadas para que não acumulem sujeira e nem machuquem a região íntima.

Quer saber mais sobre os diferentes vieses da medicina em relação a gênero? Então vem com a gente para o próximo post! Spoiler triste: não são só as mulheres lésbicas e bissexuais que são invisibilizadas pela medicina tradicional.

REFERÊNCIAS
Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

A primeira clínica virtual de saúde feminina do Brasil

Ginecologia e fertilidade sem sair de casa. Medicina para mulheres e pessoas com ovários. Com empatia e sem preconceitos. Agendamento rápido. Sua saúde é sua!
Conheça a Oya
Tudo por apenas
*Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

A primeira clínica virtual de saúde feminina do Brasil

Ginecologia e fertilidade sem sair de casa. Medicina para mulheres e pessoas com ovários. Com empatia e sem preconceitos. Agendamento rápido. Sua saúde é sua!
Conheça a Oya

Leia também

Desenho de métodos contraceptivos hormonais em fundo violeta

Como escolher anticoncepcional: contraceptivos hormonais

Conheça os prós e contras de todos os métodos contraceptivos hormonais e saiba como escolher o melhor anticoncepcional pra você. Vem com a Oya!

Ler mais
Desenhos de métodos contraceptivos de barreira com fundo azul

Como escolher anticoncepcional: métodos de barreira

Camisinha, DIU, diafragma e mais: conheça as melhores opções para escolher anticoncepcional entre os métodos de barreira.

Ler mais
Fundamentos do Prazer, da Netflix, na tela de notebook

Por que assistir Fundamentos do Prazer na Netflix?

Feita por mulheres e sobre a sexualidade das mulheres: minissérie documental Fundamentos do Prazer discute fatos e mitos sobre nossos corpos. Veja!

Ler mais
Mulher deitada com alerta na região pubiana, representando vaginismo

Vaginismo: nem sempre é só relaxa e goza

A contração involuntária dos músculos da vagina deixa a penetração dolorosa ou até impossível para muitas mulheres. Boa notícia: vaginismo tem cura! 

Ler mais

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.

Reembolso

O valor do reembolso pode chegar a 100% do valor mediante apresentação de nota fiscal dependendo da cobertura do seu plano.

Para saber mais entre em contato com o seu plano de saúde.

Entendido

Receba conteúdos exclusivos sobre saúde e autonomia feminina:

Nome completo
Email
Idade
É profissional da saúde?

Agradecemos sua inscrição em nossa Newsletter!

Oops! Estamos passando por algum problema técnico, tente mais tarde por favor

Obrigada por se inscrever na nossa Newsletter!

Fale com a gente
Fale pelo WhatsApp