Assine a newsletter para receber conteúdos exclusivos

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.
Colunistas
Contracepção
Depoimentos
Fertilidade
Oya Recomenda
Rotina
Saúde
Sexo
Sociedade
Trabalho e Relacionamentos
Anna Vitoria Rocha
Dra. Natalia Ramos
Giuliana
Giuliana Giordano
Laura Máximo
Marina Orlandini
Vanessa Pessoa
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo sobre saúde e autonomia feminina.

Por que assistir Fundamentos do Prazer na Netflix?

SUMÁRIO

O que nós mulheres sabemos sobre nossos corpos, nossas mentes, nossas relações e em que medida esses elementos influenciam nossa capacidade de sentir prazer? A minissérie documental Fundamentos do Prazer (Principles of Pleasure), lançada pela Netflix em março de 2022, nos convida a refletir e acessar nossa capacidade e liberdade de sentir colocando em evidência os papeis da biologia, da cultura e sociedade no nosso relacionamento com o sexo. Tudo isso de forma leve e bem humorada, ainda que super educativa.

Nós da Oya, primeira clínica virtual de saúde feminina do Brasil, recomendamos, hein?!

Ainda não deu o play em Fundamentos do Prazer? Vem com a gente entender tim-tim por tim-tim por que assistir!

Fundamentos do Prazer: feita por mulheres, com mulheres e para mulheres (e com diversidade!)

Mulheres na frente e atrás das câmeras: esse é certamente um dos diferenciais de Fundamentos do Prazer, criada e dirigida por Niharika Desai (que também assina o roteiro). 

E quando dizemos mulheres, dizemos no plural. Entre especialistas e pessoas que aparecem dando seus depoimentos sobre prazer e sexualidade, estão mulheres negras, asiáticas, brancas, trans, cis, pessoas não-binárias, hétero, bi e homossexuais de diferentes idades, religiões e origens sociais. Essa pluralidade dá interessância à conversa e demonstra as experiências comuns do gênero feminino, sem esquecer a diversidade que se inscreve nessa categoria.

Em Fundamentos do Prazer, os depoimentos de mulheres são conduzidos por um fio narrativo que educa sem arrogância e humaniza dúvidas.

A diversidade também está presente entre as cientistas, educadoras sexuais, terapeutas e donas de sex shop que aparecem em posição de autoridade na série. Nada de especialistas homens, héteros, brancos e cis de terninho sentados em uma biblioteca. Nem mesmo tudo isso, só que no feminino. 

As referências de Fundamentos do Prazer são mulheres negras, brancas, gordas, magras, jovens e não tão jovens, mães ou não. Além de trazer ao documentário a voz da sabedoria e da ciência, elas permeiam seus próprios depoimentos com histórias pessoais, fato que dá um conforto a mais a quem acompanha enquanto aprende que vulva e vagina são coisas diferentes.

Em Fundamentos do Prazer, informação científica e depoimentos são acompanhados também de uma produção visual atraente, trilha sonora divertida e envolvente e pela narração da atriz e humorista Michelle Buteau (mesma narradora do reality The Circle EUA). 

Quem propõe a conversa - a diretora, criadora e roteirista Niharika Desa - também não é pouco experiente: foi ela a responsável pelo documentário The Power of Kindness, estrelado pela Lady Gaga (2021) e pela série documental Gaycation lançada em 2016 e protagonizado pelo ator Elliot Page.

Atenção: a partir daqui você pode talvez esbarrar com alguns spoilers de Fundamentos do Prazer!

“Nossos corpos”: o papel da biologia na sexualidade feminina

Quantos silêncios você consegue identificar na sua trajetória como ser sexual? Quantos e quantos “nãos” que são silêncios e silêncios que são “nãos”? O primeiro episódio de Fundamentos do Prazer começa a narrativa falando justamente sobre esses não-ditos a respeito da sexualidade feminina

Nomeado como “Nossos corpos”, esse capítulo aborda como aspectos da biologia feminina influenciam a percepção do mundo sobre nós e como essa interpretação, seus padrões, estereótipos e mitos afetam nossa capacidade de viver a sexualidade

Perceba que aqui não falamos que, isoladamente, há aspectos da biologia feminina que influenciam ou afetam negativamente nossa forma de experimentar prazer - mas sim que a forma como somos lidas (por nós e pelos demais) enquanto pessoas do sexo feminino tem impacto sobre nossa sexualidade e prazer. É o tal do gênero, a nós atribuído mesmo antes do nascimento com base na forma com que nossa genitália se organiza.

Conosco, não se fala sobre sexo. Na adolescência, ouvimos: NÃO FAÇA SEXO!, um imperativo que impõe um temor quase paralisante sobre a gravidez, uma espécie de “punição” para quem ousa fazer sexo antes do casamento. Na idade adulta, toda essa conversa (quase um regulamento, na verdade) se transforma em silêncio. É íntimo, é particular, é desconfortável… E conversas sobre corpo, sexualidade e prazer deixam de acontecer tanto entre nós e as mais próximas amigas, quanto entre nós e nós mesmas. Vivemos em desconhecimento.

No primeiro episódio de Fundamentos do Prazer, a fala de uma das entrevistadas marca muito. Ela diz: “Aprendi que sexo é algo que uma mulher muito atraente faz para um homem, como um presente”, enquanto relata que cresceu comparando as formas do próprio corpo às capas das revistas Playboy que o pai tinha em casa. 

A frase, que poderia se referir a N imagens culturais de sexualidade (Banheira do Gugu e Concurso de Camiseta Molhada, pra citar exemplos bem brasileiros), pode ser interpretada quase como uma normativa inconsciente: “Se eu não sou assim (um homem branco hétero cis) sexo não é pra mim. E se eu não sou dessa outra forma (mulher branca hétero cis com um corpo magro, com os seios de tal jeito, barriga X e bunda Y) nem para oferecer sexo (como um objeto sem prazer) ao outro eu sirvo”.

Prazer também é poder

Para a nossa sociedade, quem pode expressar sexualidade e o que nossos corpos têm a ver com isso? É um dos questionamentos que Fundamentos do Prazer trazem ao debate. Em mais uma citação tirada da série documental: “Como é o prazer se você vive em um mundo que tem sempre um alvo nas suas costas?”.

Podemos reformular esse questionamento da seguinte forma: por que até mesmo algo tão trivial quanto o prazer é negado a quem ocupa posições inferiores em relação aos padrões normativos? Uma das respostas: prazer também é poder porque prazer é conhecimento - e se tem uma coisa que a gente sabe aqui na Oya é que conhecimento é poder

Foi por esse jogo de poder que nossos corpos femininos foram considerados inerentemente doentes. É por esse jogo de poder que a medicina ainda não é feita para mulheres. É por esse jogo de poder que estamos perdendo a possibilidade de ter 29% artigos a mais sobre saúde pública, 26% sobre violência de gênero, 25% sobre ginecologia e 18% sobre saúde mental. 

Outro ponto alto do primeiro episódio é o guia de vibradores, tema que você viu no blog da Oya primeiro.

“Nossas mentes”: o prazer não acontece só no corpo

Neurociência e saúde mental estão no centro da conversa no segundo episódio de  Fundamentos do Prazer. Logo no início a narrativa nos conta: o prazer acontece no cérebro.

A palavra “neurociência” assusta um pouco, mas o didatismo da série torna mais fácil a tarefa de entender alguns mistérios sobre o cérebro, esse órgão tão complexo que é o centro de controle do organismo, mas que também participa da construção do nosso bem-estar.

Os hormônios também aparecem como parte fundamental da conversa no episódio intitulado “Nossas mentes”. Nesse ponto são desconstruídos mitos que nos levaram a crer que seres biologicamente femininos são mais controlados (ou descontrolados) pelos hormônios do que pessoas do sexo masculino. Esse capítulo dá uma super aula muito didática e fácil de entender sobre as fases do ciclo menstrual e a ação dos hormônios progesterona e estrogênio em nosso corpo durante cada uma delas. 

Nesse recorte, os impactos da pílula anticoncepcional e o fato desse medicamento pouco ter evoluído ao longo dos anos em matéria de efeitos colaterais são temas discutidos. Uma das entrevistadas resume bem o sentimento de muitas de nós: “Foi muito estranho porque eu estava tomando esse remédio para transar e aí eu não gostava mais  de transar tanto assim.”

Seria cômico se não fosse trágico o fato de voltarmos novamente ao ponto: a ciência e a medicina ainda não são feitas para as mulheres e prazer é poder, por isso talvez não interesse que a gente também experimente prazer.

Saúde para quem?

Essa dificuldade de conexão com a ciência e com os profissionais de saúde é mais um dos assuntos abordados no segundo episódio de Fundamentos do Prazer. A necessidade de atendimento sem julgamentos, sem tabus e com empatia é defendida pelas entrevistadas - debates que estão no centro da missão da Oya, a primeira clínica virtual de saúde feminina do Brasil.

O fato de que para pessoas LGBTIAP+ e não-brancas a procura por atendimento médico com todas essas características positivas (e fundamentais!) é ainda mais penosa também é abordado em Fundamentos do Prazer.

“Nossas relações”: ter prazer a dois (ou a três ou a mais…)

Ok, aprendemos a conhecer nosso corpo e nossa mente, mas o que acontece quando colocamos outro(s) corpo(s) e outra(s) mente(s) na jogada? É sobre isso que o terceiro episódio de Fundamentos do Prazer trata. 

“Nossas relações” fala sobre o quanto as vergonhas, as autocobranças e as convenções sociais aparecem como barreiras ainda mais difíceis de transpor quando o assunto é ter prazer com outra pessoa. É a busca pela tal performance perfeita, o medo do que vão achar de nossos corpos, nosso peso, nossas características e o questionamento: “eu sou normal?”, seja esteticamente, seja em matéria de desejos.

Não tema: “Atração, preferência sexual, prazer, nada disso segue um roteiro de normalidade - desde que todos os parceiros concordem e deem consentimento, vá em frente”, nos conforta Fundamentos do Prazer. Para facilitar esse encontro, “Nossas relações” dá até pistas de como abrir a conversa com nossas parcerias sexuais sobre o que nos dá prazer e como explorar nossos corpos enquanto conhecemos outros. A jornada pode ser deliciosa!

Fala-se sobre tipos de desejo e sobre por que alguns casais parecem enfrentar desencontros na cama. E a chave para a resolução desse impasse: COMUNICAÇÃO (parece até clichê dizer).

Nesse episódio também temos uma das partes mais sensíveis da narrativa: fala sobre traumas, assédio e outras experiências negativas enfrentadas por mulheres desde a infância. Difícil não se emocionar e/ou se identificar com os depoimentos das entrevistadas.

Fundamentos do Prazer por Oya Care

Nós da Oya queremos estimular conversas francas e baseadas em evidências científicas sobre sexo e prazer. E temos muito conteúdo com o aval de super profissionais de saúde. Vem ver!

Como escolher o vibrador perfeito?

Existem dezenas de modelos de vibrador disponíveis no mercado atualmente, oferecendo diferentes tipos de estímulo para diferentes tipos de corpos e de preferências. Ou seja, opção é o que não falta. Isso é maravilhoso mas, ao mesmo tempo, um grande desafio - afinal, como chegar no match perfeito? Veja!

Como recuperar o tesão perdido?

Você sabia que o tesão também precisa ser nutrido no cotidiano? Se deixamos aquilo que nos move de lado, a libido se atrofia como um músculo que fica muito tempo sem ser movimentado. A boa notícia é que o treino para recuperá-la é muito mais gostoso do que qualquer musculação, e pode ser incluído com tranquilidade no nosso dia a dia. Continue a leitura e saiba mais!

Vulva com vulva: um guia de saúde sexual

Existe sexo (e muito!) para além do contato entre pênis e vulva. E onde há sexo, há risco de se contrair alguma infecção sexualmente transmissível (IST). A heteronormatividade faz muita gente acreditar que a penetração pênis-vulva é regra, tornando todas as outras práticas automaticamente erradas e/ou menos importantes, mas não é bem assim que funciona. Leia mais!

Desvendando os diferentes tipos de orgasmo

Ao ler essa pergunta, boa parte das pessoas vai responder um só - ou melhor, vai coçar a cabeça e dizer "ué, e existe mais de um?". Já uma outra parte provavelmente já deve ter lido que uma pessoa com vulva pode ter diferentes tipos de orgasmo (de 12 a 15!). Entram nessa conta, por exemplo, tipos de orgasmo como o clitoriano, vaginal, anal e até mesmo o orgasmo induzido por exercícios físicos. Ficou curiosa? Continue a leitura!

Ainda dá tempo de tomar vacina contra o HPV?

O HPV, vírus causador do câncer de colo de útero, é a infecção sexualmente transmissível (IST) mais comum no mundo e assusta aquelas entre nós que são sexualmente ativas, mas não tiveram a oportunidade de se vacinar antes de iniciar a vida sexual. Descubra quando vale a pena tomar a vacina contra o HPV.

Para uma conversa sem preconceitos, SOS Ginecologista Oya

O SOS Ginecologista Oya, nossa consulta ginecológica online, é uma conversa sem preconceitos, descomplicada e com empatia que pode te ajudar em uma série de perrengues de saúde.

O que é possível atender em uma consulta online com o SOS Ginecologista Oya?

  • Dores, ardência desconforto ao urinar
  • Ciclo menstrual desregulado
  • Corrimentos atípicos
  • Cólicas menstruais ou dores abdominais
  • Dor ou desconforto durante o sexo
  • Cuidados e orientações após uma relação sexual desprotegida
  • Suspeita de ISTs (infecções sexualmente transmissíveis)
  • TPM intensa

Até 100% reembolsável pelo plano de saúde. Agende agora!

REFERÊNCIAS
Tudo por apenas
R$ 129
ou 6x de R$ 21,50
Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

SOS Ginecologista Oya

Sabe quando bate aquele desconforto e tudo o que mais queríamos é falar com um ginecologista o quanto antes?
R$ 129
ou 6x de R$ 21,50
Conhecer SOS Oya
Tudo por apenas
R$ 129
ou 6x de R$ 21,50
*Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

SOS Ginecologista Oya

Sabe quando bate aquele desconforto e tudo o que mais queríamos é falar com um ginecologista o quanto antes?
Conhecer SOS Oya

Leia também

Desenho de métodos contraceptivos hormonais em fundo violeta

Como escolher anticoncepcional: contraceptivos hormonais

Conheça os prós e contras de todos os métodos contraceptivos hormonais e saiba como escolher o melhor anticoncepcional pra você. Vem com a Oya!

Ler mais
Desenhos de métodos contraceptivos de barreira com fundo azul

Como escolher anticoncepcional: métodos de barreira

Camisinha, DIU, diafragma e mais: conheça as melhores opções para escolher anticoncepcional entre os métodos de barreira.

Ler mais
Fundamentos do Prazer, da Netflix, na tela de notebook

Por que assistir Fundamentos do Prazer na Netflix?

Feita por mulheres e sobre a sexualidade das mulheres: minissérie documental Fundamentos do Prazer discute fatos e mitos sobre nossos corpos. Veja!

Ler mais
Mulher deitada com alerta na região pubiana, representando vaginismo

Vaginismo: nem sempre é só relaxa e goza

A contração involuntária dos músculos da vagina deixa a penetração dolorosa ou até impossível para muitas mulheres. Boa notícia: vaginismo tem cura! 

Ler mais

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.

Reembolso

O valor do reembolso pode chegar a 100% do valor mediante apresentação de nota fiscal dependendo da cobertura do seu plano.

Para saber mais entre em contato com o seu plano de saúde.

Entendido

Receba conteúdos exclusivos sobre saúde e autonomia feminina:

Nome completo
Email
Idade
É profissional da saúde?

Agradecemos sua inscrição em nossa Newsletter!

Oops! Estamos passando por algum problema técnico, tente mais tarde por favor

Obrigada por se inscrever na nossa Newsletter!

Fale com a gente
Fale pelo WhatsApp