Assine a newsletter para receber conteúdos exclusivos

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.
Colunistas
Contracepção
Depoimentos
Fertilidade
Oya Recomenda
Rotina
Saúde
Sexo
Sociedade
Trabalho e Relacionamentos
Anna Vitoria Rocha
Dra. Natalia Ramos
Giuliana
Giuliana Giordano
Laura Máximo
Marina Orlandini
Vanessa Pessoa
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Assine nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo sobre saúde e autonomia feminina.

Falar de fertilidade é também falar de trabalho

SUMÁRIO

As mulheres sempre trabalharam. Quando olhamos para as mulheres negras e das classes mais baixas, vemos que o trabalho fazia parte de suas vidas bem antes da revolução sexual, na maior parte das vezes em posições subalternas. Sem poder de escolha em relação à maternidade, os filhos eram deixados em casa, sob o cuidado de vizinhas ou parentes (também mulheres), e logo começavam a trabalhar também.

O surgimento da pílula anticoncepcional na década de 1960 (menos de um século atrás!) permitiu que as mulheres pudessem escolher QUANDO ou SE se tornariam mães, ganhando mais tempo e liberdade para investir em suas carreiras. Mas não podemos esquecer que, antes mesmo de poder fazer essa escolha, as mulheres já trabalhavam. 


E não podemos esquecer também que esse poder de escolha, sozinho, ainda não nos faz verdadeiramente livres. 

O trabalho invisível das mulheres


Mesmo aquelas mulheres que demoraram mais tempo para ganhar as ruas no século passado também trabalhavam e continuam trabalhando. Segundo relatório da Oxfam publicado em janeiro de 2020, as mulheres são responsáveis hoje por 75% do trabalho não remunerado do mundo, um esforço que ainda é invisível para o mercado. 


A Oxfam estima que o valor monetário do trabalho de cuidados não remunerado das mulheres com mais de 15 anos seja de 10,8 trilhões de dólares a cada ano.


Entram aí cuidados com crianças e idosos e também o trabalho doméstico - serviços essenciais para a vida de todos, mas que cai majoritariamente sobre os ombros das mulheres. Nas ciências humanas, esse tipo de atividade é chamada de trabalho de reprodução social da vida e não parece ser uma coincidência a forma como ele está constantemente atrelado às mulheres. 


Segundo a pesquisadora Tithi Bhattacharya, “produzir a vida no sentido mais direto é dar à luz. Mas para manter essa vida, precisamos de toda uma série de outras atividades, como limpar, alimentar, cozinhar, lavar roupas.”. Cabe a nós conciliar essas tarefas com todo o resto, acumulando uma jornada dupla, às vezes tripla, de trabalho. 


Se identificou por aí?


O custo da dupla jornada de trabalho


Mesmo quando o cuidado se torna um trabalho formal, em grande parte das vezes ele é subvalorizado e mal remunerado. Os dados da Oxfam também trazem essa evidência: segundo o relatório, “enfermeiras, faxineiras, trabalhadoras domésticas e cuidadoras são em geral mal pagas, têm poucos benefícios e trabalham em horários irregulares, além de sofrerem problemas físicos e emocionais”.


Segundo o Estudo de Estatísticas de Gênero (2019), do IBGE, as mulheres trabalham em média três horas por semana a mais do que os homens (somando-se trabalho remunerado, atividades domésticas e cuidados com outras pessoas), mas ganham apenas dois terços (76%) do rendimento deles.

 

Nas ocupações que exigem nível superior completo ou mais, a diferença salarial é ainda maior: as mulheres recebiam 63,4% do rendimento dos homens em 2016, dado mais recente disponível.


E assim como o mundo do trabalho era diferente para mulheres brancas e negras lá atrás, o abismo ainda permanece. Dados do IBGE mostram que as mulheres brancas ganham 70% a mais que as negras. Enquanto a média salarial das brancas é de R$ 2.379 a das negras é de R$ 1.394, o menor salário na comparação entre mulheres brancas, homens negros (R$ 1.762) e homens brancos (R$ 3.138).


“Em termos de reprodução social, muitas das tarefas que precisamos fazer em um determinado dia são realizadas por mulheres não-branca. Não poderíamos comer comida, andar nas ruas, ter nossos filhos e idosos atendidos, ter nossas casas e hotéis limpos, sem mulheres migrantes e mulheres negras fazendo esse tipo de trabalho. Este trabalho de produção do mundo é completamente desconhecido.” Tithi Bhattacharya


O trabalho continua


Como vimos nos parágrafos acima, a pílula foi revolucionária, mas a guerra ainda não foi vencida. Falamos muito sobre a importância de ocupar cada vez mais espaços, mas é importante olhar também para aqueles espaços que já ocupamos, para aqueles que nos forçam a ocupar, e pensar nas mudanças de dentro para fora.


Hoje, Dia do Trabalho, lutamos não só pelo direito de trabalhar, mas pelo trabalho digno dentro e fora de casa, pela igualdade de oportunidades que só é possível com uma divisão justa de tarefas, um trabalho que assegure aos corpos femininos aqueles direitos que são nossos - inclusive, e principalmente, o de escolha.


Ser ou não ser mãe? Tomar ou não a pílula? Trabalhar ou não fora de casa? Carreira ou filhos? Não importa, o que vale mesmo é ter as portas sempre abertas e um teto feito de acordo com as nossas necessidades no esperando do outro lado de todas elas.  


“Quer dizer, o que é uma mulher? Juro que não sei. E duvido que vocês saibam. Duvido que alguém possa saber, enquanto ela não se expressar em todas as artes e profissões abertas às capacidades humanas.” (Virginia Woolf)


Que tal olhar mais de perto para sua fertilidade para poder fazer o melhor uso possível da sua capacidade de escolha? Conheça mais sobre a Descoberta da Fertilidade e viva com mais autonomia e liberdade! Pra começar a sua jornada é só clicar aqui.

Foto: Iara Prado e Schuma Schumaher em manifestação em frente à Igreja da Sé, em São Paulo – Nair Benedicto/Divulgação

REFERÊNCIAS
Tudo por apenas
R$ 389
ou 6x de R$ 64,83
Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

Descoberta da Fertilidade

Avaliação preventiva da vida fértil com equipe de ginecologistas especialistas em fertilidade.
R$ 389
ou 6x de R$ 64,83
Conhecer Descoberta
Tudo por apenas
R$ 389
ou 6x de R$ 64,83
*Até 100% reembolsável pelo plano de saúde

Descoberta da Fertilidade

Avaliação preventiva da vida fértil com equipe de ginecologistas especialistas em fertilidade.
Conhecer Descoberta

Leia também

Mulher faz sessão de acupuntura

Acupuntura e saúde feminina: para que serve e o que a ciência diz

É verdade que acupuntura alivia cólicas e dores do parto? Ajuda mesmo na fertilidade? Entenda.

Ler mais
Claudia raia está grávida na menopausa

Claudia Raia está grávida na menopausa: ela fez tratamento?

Atriz revelou gravidez aos 55 anos, na menopausa. A equipe médica da Oya Care explica como foi possível. Vem ver!

Ler mais
Stephanie Noelle fala sobre fertilidade

Stephanie Noelle: "a Descoberta da Fertilidade foi transformadora"

Em uma carta super sincera, Stephanie Noelle fala sobre sua experiência com a Descoberta da Fertilidade da Oya. Leia!

Ler mais
Mãos se tocando representam a descoberta da fertilidade

Minha experiência com a Descoberta da Fertilidade: Fernanda Antunes, 35

Nove anos depois de uma perda gestacional, Fernanda encara a própria fertilidade com ajuda dos especialistas da Oya Care. Leia mais.

Ler mais

A Oya Care

Acreditamos que conhecimento é poder e esse é nosso espaço para falar sobre vários assuntos importantes para sua saúde, sua fertilidade e muito mais. Pode entrar, fique à vontade!

Conheça nossos serviços de ginecologia e sem sair de casa. Com empatia, agendamento rápido e sem preconceitos.

Reembolso

O valor do reembolso pode chegar a 100% do valor mediante apresentação de nota fiscal dependendo da cobertura do seu plano.

Para saber mais entre em contato com o seu plano de saúde.

Entendido

Receba conteúdos exclusivos sobre saúde e autonomia feminina:

Nome completo
Email
Idade
É profissional da saúde?

Agradecemos sua inscrição em nossa Newsletter!

Oops! Estamos passando por algum problema técnico, tente mais tarde por favor

Obrigada por se inscrever na nossa Newsletter!

Fale com a gente
Fale pelo WhatsApp