Falar de fertilidade também é falar de trabalho

As mulheres sempre trabalharam. Quando olhamos para as mulheres negras e das classes mais baixas, vemos que o trabalho fazia parte de suas vidas bem antes da revolução sexual, na maior parte das vezes em posições subalternas. Sem poder de escolha em relação à maternidade, os filhos eram deixados em casa, sob o cuidado de vizinhas ou parentes (também mulheres), e logo começavam a trabalhar também.

O surgimento da pílula anticoncepcional na década de 1960 (menos de um século atrás!) permitiu que as mulheres pudessem escolher QUANDO ou SE se tornariam mães, ganhando mais tempo e liberdade para investir em suas carreiras. Mas não podemos esquecer que, antes mesmo de poder fazer essa escolha, as mulheres já trabalhavam. 


E não podemos esquecer também que esse poder de escolha, sozinho, ainda não nos faz verdadeiramente livres. 

O trabalho invisível das mulheres


Mesmo aquelas mulheres que demoraram mais tempo para ganhar as ruas no século passado também trabalhavam e continuam trabalhando. Segundo relatório da Oxfam publicado em janeiro de 2020, as mulheres são responsáveis hoje por 75% do trabalho não remunerado do mundo, um esforço que ainda é invisível para o mercado. 


A Oxfam estima que o valor monetário do trabalho de cuidados não remunerado das mulheres com mais de 15 anos seja de 10,8 trilhões de dólares a cada ano.


Entram aí cuidados com crianças e idosos e também o trabalho doméstico - serviços essenciais para a vida de todos, mas que cai majoritariamente sobre os ombros das mulheres. Nas ciências humanas, esse tipo de atividade é chamada de trabalho de reprodução social da vida e não parece ser uma coincidência a forma como ele está constantemente atrelado às mulheres. 


Segundo a pesquisadora Tithi Bhattacharya, “produzir a vida no sentido mais direto é dar à luz. Mas para manter essa vida, precisamos de toda uma série de outras atividades, como limpar, alimentar, cozinhar, lavar roupas.”. Cabe a nós conciliar essas tarefas com todo o resto, acumulando uma jornada dupla, às vezes tripla, de trabalho. 


Se identificou por aí?


O custo da dupla jornada de trabalho


Mesmo quando o cuidado se torna um trabalho formal, em grande parte das vezes ele é subvalorizado e mal remunerado. Os dados da Oxfam também trazem essa evidência: segundo o relatório, “enfermeiras, faxineiras, trabalhadoras domésticas e cuidadoras são em geral mal pagas, têm poucos benefícios e trabalham em horários irregulares, além de sofrerem problemas físicos e emocionais”.


Segundo o Estudo de Estatísticas de Gênero (2019), do IBGE, as mulheres trabalham em média três horas por semana a mais do que os homens (somando-se trabalho remunerado, atividades domésticas e cuidados com outras pessoas), mas ganham apenas dois terços (76%) do rendimento deles.

 

Nas ocupações que exigem nível superior completo ou mais, a diferença salarial é ainda maior: as mulheres recebiam 63,4% do rendimento dos homens em 2016, dado mais recente disponível.


E assim como o mundo do trabalho era diferente para mulheres brancas e negras lá atrás, o abismo ainda permanece. Dados do IBGE mostram que as mulheres brancas ganham 70% a mais que as negras. Enquanto a média salarial das brancas é de R$ 2.379 a das negras é de R$ 1.394, o menor salário na comparação entre mulheres brancas, homens negros (R$ 1.762) e homens brancos (R$ 3.138).


“Em termos de reprodução social, muitas das tarefas que precisamos fazer em um determinado dia são realizadas por mulheres não-branca. Não poderíamos comer comida, andar nas ruas, ter nossos filhos e idosos atendidos, ter nossas casas e hotéis limpos, sem mulheres migrantes e mulheres negras fazendo esse tipo de trabalho. Este trabalho de produção do mundo é completamente desconhecido.” Tithi Bhattacharya


O trabalho continua


Como vimos nos parágrafos acima, a pílula foi revolucionária, mas a guerra ainda não foi vencida. Falamos muito sobre a importância de ocupar cada vez mais espaços, mas é importante olhar também para aqueles espaços que já ocupamos, para aqueles que nos forçam a ocupar, e pensar nas mudanças de dentro para fora.


Hoje, Dia do Trabalho, lutamos não só pelo direito de trabalhar, mas pelo trabalho digno dentro e fora de casa, pela igualdade de oportunidades que só é possível com uma divisão justa de tarefas, um trabalho que assegure aos corpos femininos aqueles direitos que são nossos - inclusive, e principalmente, o de escolha.


Ser ou não ser mãe? Tomar ou não a pílula? Trabalhar ou não fora de casa? Carreira ou filhos? Não importa, o que vale mesmo é ter as portas sempre abertas e um teto feito de acordo com as nossas necessidades no esperando do outro lado de todas elas.  


“Quer dizer, o que é uma mulher? Juro que não sei. E duvido que vocês saibam. Duvido que alguém possa saber, enquanto ela não se expressar em todas as artes e profissões abertas às capacidades humanas.” (Virginia Woolf)


Que tal olhar mais de perto para sua fertilidade para poder fazer o melhor uso possível da sua capacidade de escolha? Conheça mais sobre a Descoberta da Fertilidade e viva com mais autonomia e liberdade! Pra começar a sua jornada é só clicar aqui.

Foto: Iara Prado e Schuma Schumaher em manifestação em frente à Igreja da Sé, em São Paulo – Nair Benedicto/Divulgação

Leia também:
Falar de infertilidade também é falar de saúde pública

Falar de (in)fertilidade também é falar sobre saúde pública, sabia? Por mais que o tema pareça restrito às esferas mais íntimas, sendo um tabu até mesmo entre os casais, a infertilidade deveria ser uma pauta na agenda de saúde pública de todos os países.

Ler texto
Oya Vibes: Como escolher o vibrador perfeito

Em uma das pesquisas que fizemos nas Terças de Prazer do nosso Instagram, descobrimos que 80% das pessoas nunca explorou a magia dos sex toys simplesmente por não saber como escolher o vibrador perfeito.

Ler texto